Segredos do Arsenal Campeão Invicto 2003/04 – Análise Tática

Essa é a análise tática do Arsenal campeão invicto da Premier League 2003/04, coroando o trabalho brilhante do técnico Arsène Wenger. Campanha inédita, onde a equipe do técnico francês levantou a taça sem sofrer uma única derrota.

Como o Arsenal invicto jogava? Quais eram suas principais táticas? Os principais jogadores desse elenco?

Para tentar trazer luz a essas questões, resolvi fazer essa análise completa utilizando o modelo DRAF. Assim, vamos dissecar todos os grupos de táticas dos Gunners de Wenger, e descobrir como o time se defende, recupera avança e finaliza.

Curso de Análise Tática

Arsenal Campeão Invicto se Defendendo

Primeiramente, vamos começar entendendo o posicionamento do time sem a bola. O desenho defensivo base era o 1442, como mostra a imagem abaixo.

Arsenal Campeão Invicto 2003-2004 - Desenho Defensivo

Em resumo, a zona de guerra principal era formada pelos quatro defensores (Lauren, Touré, Campbell e Cole) mais os dois volantes (Gilberto Silva e P. Vieira). Além disso, Pires e Ljungber voltavam pelos lados para compor a linha do primeiro combate, e Bergkamp voltava pelo meio na frente dos dois volantes.

O único jogador que não voltava para recompor o bloco, principalmente com o time marcando em bloco médio ou baixo, era o Henry. Não que o craque francês não tivesse responsabilidades defensiva, pelo contrário. Na hora de marcar em bloco alto ou fazer o perde pressiona, o papel do atacante era fundamental.

Arsenal Recuperando a Bola

Em perfeita sintonia estratégica com seu posicionamento defensivo, a equipe de Wenger apresentava eficientes táticas de recuperação de bola.

Em resumo, o Arsenal adotava táticas proativas de recuperação de bola, como a marcação pressão e o perde pressiona. Principalmente enquanto o empate estava no placar, ou quando o time estava em desvantagem.

Com o resultado a seu favor o time adotava o posicionamento e paciência, mantinha o desenho defensivo mais bem postado e aguardava o adversário tentar invadir para recuperar a bola.

Sem dúvida, o grande segredo desse Arsenal era recuperar a bola, manter em seu domínio e conectar com as táticas de avançar em campo. Ou seja, além de se defender bem, a equipe de Arsène Wenger não ficava apenas rebatendo a bola e sendo atacada novamente.

Cada recuperação de bola do Arsenal representava uma ameaça ao seu adversário por conta do seu excelente contra-ataque, como veremos mais adiante.

Arsenal Avançando em Campo

Para chegar ao ataque a proposta do time era bem clara. Por isso fiz essa imagem abaixo para explicar melhor como o time se comportava.

Arsenal 2003-04 - Avança

Observando o time em campo, você verá o time alternar as três táticas básicas de avançar em campo. Agora o porquê de usar cada tática está explicado no fluxo acima.

Resumidamente, uma coisa fica muito clara. O time tinha muitas alternativas para avançar em campo, e se moldava de acordo com o momento do jogo e as características do adversário.

Assim, podia atacar times fechados, times abertos, compactados, descompactados, desenhos com amplitude, desenhos com profundidade. Enfim, era realmente um pesadelo se defender desse Arsenal.

Criando Chances de Finalização

A imagem abaixo foi construída com base na análise de todos os gols que a equipe marcou na Premier League 2003/2004. Melhor ataque da competição, vasta produção ofensiva.

Arsenal 2003-04 - Finaliza

Mesmo que as principais táticas sejam os lançamentos, bolas paradas e os contra-ataques, o time apresentava alternativas para todas as ocasiões.

Portanto, para definir esse time em uma única palavra, eu diria: versatilidade!

Variações de posturas defensivas, alternativas para avançar em campo, e principalmente para finalizar. Adaptando de acordo com a necessidade de cada jogo.

Estratégia equilibrada e eficiente, somada a craques em altíssimo nível, o resultado foi esse espetáculo que raramente presenciamos no futebol.

Grande abraço e até a próxima!


Gostou? Compartilhe esse texto!